A Fonte

Poem By Sirlanio Jorge Dias Gomes

Estas mãos ansiosas,
Sondam o infinito,
Vastidão do amor e da dor,
Beijando o semblante ignoto,
No voo livre dos pensamentos.
As asas não são minhas,
Leve-a e voe sem medo,
Depois deixe-as ao vento,
O próximo devaneador,
Chegue ao seu destino,
Germine a liberdade.
Acaso o amor é livre,
Também suas sementes,
Pululam onde as desejam,
Deságuam no incompreensível,
Nos surpreende ao fim das horas.
Os pés cansados,
Delineiam sua marcha,
Sob o véu da peleja,
Gotejando a vida irmã da morte,
Renovando sonhos,
Venerando o inesperado,
Seguindo vivendo...

Comments about A Fonte

There is no comment submitted by members.


Rating Card

5 out of 5
0 total ratings

Other poems of JORGE DIAS GOMES

Kiss

I kiss the love on your lips,
Heavens wings of desire,
Occluso look confident,
Body in delusions,

I

I,
Parallel universe,
In his creations,
Of introversa creatura,

Sunset

Browsing the pages of memory,
Still a boy in his mischief,
I remember the simplicity of the old days,
From the lamp and the wood stove,

Poetry Is...

Poetry is...
The deepest perception of self,
Bridges of emotions building verses,
Doors that open to infinity,

Intentions

A little of everything,
In the details of me,
Translation of thoughts,
This whirlwind of arrows,

Sem Fronteiras

Corpos fustigados,
Em suas cores assombrados,
Multilados em suas dores,
Em discursos abstratos,

Maya Angelou

Phenomenal Woman