A Prostituta

Poem By Sirlanio Jorge Dias Gomes

Quem sou eu?
Uma escrava de mim?
Um romance as avessas?
Alguma flor de petalas lúridas
Despetalando no jardim dos boçais?
Sou o mea-culpa de suas introversões,
O desejo descarado de sua fraqueza,
A desculpa do seu infortúnio,
Nos infernos que procriamos,
Em leitos presunçosos.
Sou a inveja dos fascínios proibidos,
Pernicioso afeto do seu capitalismo,
No obscuro sentir de sua identidade.
A minha paixão é transmutável,
Metamorfose da vida em suas réplicas,
Furor em conveniências,
Tal qual o reflexo de sua humanidade,
No juízo insensato do seu veredito,
Depositário da sua herança maldita.
Sou teu medo e desejo,
Vazão de sua violência esfíngica,
Em seus ócios escandalosos,
Proletária da sua sorte,
Vestida de tempestades invisíveis,
Ataviando as horas inconvenientes,
Até o despertar de sua santidade.
Te devoro e não me percebes,
Na loucura de tuas confidências,
Na fragilidade de tua desgraça,
Seduzida por suas mentiras,
Que me concebe sem entender,
O que realmente sou além da luxúria.

Comments about A Prostituta

There is no comment submitted by members.


Rating Card

5 out of 5
0 total ratings

Other poems of JORGE DIAS GOMES

Kiss

I kiss the love on your lips,
Heavens wings of desire,
Occluso look confident,
Body in delusions,

I

I,
Parallel universe,
In his creations,
Of introversa creatura,

Sunset

Browsing the pages of memory,
Still a boy in his mischief,
I remember the simplicity of the old days,
From the lamp and the wood stove,

Poetry Is...

Poetry is...
The deepest perception of self,
Bridges of emotions building verses,
Doors that open to infinity,

Intentions

A little of everything,
In the details of me,
Translation of thoughts,
This whirlwind of arrows,

Sem Fronteiras

Corpos fustigados,
Em suas cores assombrados,
Multilados em suas dores,
Em discursos abstratos,

Maya Angelou

Caged Bird