VG ( / Italy)

A Forca

Já que adorar-me dizes que não podes,
Imperatriz serena, alva e discreta,
Ai, como no teu colo há muita seta
E o teu peito é peito dum Herodes,


Eu antes que encaneçam os meus bigodes
Ao meu mister de amar-te hei-de pôr meta,
O coração mo diz- feroz profeta,
Que anões faz dos colossos lá de Rhodes.

E a vida depurada no cadinho
Das éroticas dores do alvoroço,
Acabará na forca, num azinho,

Mas o que há-de apertar o meu pescoço
Em lugar de ser corda de bom linho
Será do teu cabelo um menos grosso.

User Rating: 5 / 5 ( 0 votes ) 1

Other poems of VERDE (33)

Edgar Allan Poe

Annabel Lee

Comments (1)

Bad news is good news for a surprising number! How do you explain it charitably? Very fine theme astonishingly concisely expressed. You've used fewer words than me! ! And the other two I read were shorter! I like your work. Not because it's short, but because it's bloody good! ! jim