Descoberta

És um estranho ser para mim
Ainda pretendo descobrir-te.

Só assim desvendarei o cenário de minha produção
Encontrarei respostas para interrogações inquietas

Enquanto isso,
Às vezes te amo,
Às vezes te odeio
Apesar de quando ódio,
Ser uma sensação falsa e disfarçada
Truques da mente para o amor doído.

A mente vive assim de armadilhas
Mas não o coração, que não tem dúvidas
Ele grita teu nome roucamente

Se teu coração responde ao grito
Não sei
A mim, só cabe
Te descobrir.

User Rating: 5 / 5 ( 0 votes )

Other poems of GONÇALVES (55)

Comments (0)

There is no comment submitted by members.