Minha Terra!

Poem By Antônio Gonçalves Dias

Quanto é grato em terra estranha
Sob um céu menos querido,
Entre feições estrangeiras,
Ver um rosto conhecido;

Ouvir a pátria linguagem
Do berço balbuciada,
Recordar sabidos casos
Saudosos — da terra amada!

E em tristes serões d’inverno,
Tendo a face contra o lar,
Lembrar o sol que já vimos,
E o nosso ameno luar!

Certo é grato; mais sentido
Se nos bate o coração,
Que para a pátria nos voa,
P’ra onde os nossos estão!

Depois de girar no mundo
Como barco em crespo mar,
Amiga praia nos chama
Lá no horizonte a brilhar.

E vendo os vales e os montes
E a pátria que Deus nos deu,
Possamos dizer contentes:
Tudo isto que vejo é meu!

Meu este sol que me aclara,
Minha esta brisa, estes céus:
Estas praias, bosques, fontes,
Eu os conheço — são meus!

Mais os amo quando volte,
Pois do que por fora vi,
A mais querer minha terra,
E minha gente aprendi.

Comments about Minha Terra!

.............a wonderful poem....thanks for sharing...


Rating Card

2,7 out of 5
20 total ratings

Other poems of GONÇALVES DIAS

Ainda Uma Vez — Adeus

I

Enfim te vejo! — enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te,

I-Juca Pirama

I

No meio das tabas de amenos verdores,
Cercadas de troncos — cobertos de flores,

O Soldado Espanhol

I

O céu era azul, tão meigo e tão brando,
E a terra era a noiva que bem se arreava

Soneto

Pensas tu, bela Anarda, que os poetas
Vivem d’ar, de perfumes, d'ambrosia?
Que vagando por mares d’harmonia
São melhores que as próprias borboletas?

The Song Of Exile

My homeland has many palm-trees
and the thrush-song fills its air;
no bird here can sing as well
as the birds sing over there.