Sem Fronteiras

Poem By Sirlanio Jorge Dias Gomes

Corpos fustigados,
Em suas cores assombrados,
Multilados em suas dores,
Em discursos abstratos,
De promessas inexatas,
Nas exatas compulsões,
Do ser em seus decursos,
Concussões de feridas soturnas,
Em fronteiras taciturnas,
Versos melancólicos invísives,
Subindo ao céus de matizes absurdas,
Estas orações escarlate,
Disparate em corações tolhidos,
De sua liberdade obstruídos,
Destituídos de sua nacionalidade,
Cuja honra o deus da guerra tragou,
Na feroz batalha das almas enegrecidas,
Em suas lutas interiores,
Farpas de horrores exteriores,
Nas razões mórbidas dos senhores,
Em seus tratados inferno caudal,
Lodaçal envolvente nas mentes frias,
Confraria de gênios maledicentes,
Gente entre as gentes,
Espalhando sementes do medo,
Mortal enredo do mundo,
Sepultado antes de morrer,
Nas confabulações do caos,
Em trincheiras de vento.
                                           

Comments about Sem Fronteiras

There is no comment submitted by members.


Rating Card

5 out of 5
0 total ratings

Other poems of JORGE DIAS GOMES

Kiss

I kiss the love on your lips,
Heavens wings of desire,
Occluso look confident,
Body in delusions,

I

I,
Parallel universe,
In his creations,
Of introversa creatura,

Sunset

Browsing the pages of memory,
Still a boy in his mischief,
I remember the simplicity of the old days,
From the lamp and the wood stove,

Poetry Is...

Poetry is...
The deepest perception of self,
Bridges of emotions building verses,
Doors that open to infinity,

Intentions

A little of everything,
In the details of me,
Translation of thoughts,
This whirlwind of arrows,

Robert Frost

Stopping By Woods On A Snowy Evening