Soneto

Poem By Antônio Gonçalves Dias

Pensas tu, bela Anarda, que os poetas
Vivem d’ar, de perfumes, d'ambrosia?
Que vagando por mares d’harmonia
São melhores que as próprias borboletas?

Não creias que eles sejam tão patetas.
Isso é bom, muito bom mas em poesia,
São contos com que a velha o sono cria
No menino que engorda a comer petas!

Talvez mesmo que algum desses brejeiros
Te diga que assim é, que os dessa gente
Não são lá dos heróis mais verdadeiros.

Eu que sou pecador, — que indiferente
Não me julgo ao que toca aos meus parceiros,
Julgo um beijo sem fim cousa excelente.

Comments about Soneto

There is no comment submitted by members.


Rating Card

2,8 out of 5
15 total ratings

Other poems of GONÇALVES DIAS

Ainda Uma Vez — Adeus

I

Enfim te vejo! — enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te,

Minha Terra!

Quanto é grato em terra estranha
Sob um céu menos querido,
Entre feições estrangeiras,
Ver um rosto conhecido;

I-Juca Pirama

I

No meio das tabas de amenos verdores,
Cercadas de troncos — cobertos de flores,

O Soldado Espanhol

I

O céu era azul, tão meigo e tão brando,
E a terra era a noiva que bem se arreava

The Song Of Exile

My homeland has many palm-trees
and the thrush-song fills its air;
no bird here can sing as well
as the birds sing over there.